O que é o micronacionalismo?

Home/Início/O que é o micronacionalismo?
O que é o micronacionalismo? 2018-02-27T21:06:48+00:00

MICRONACIONALISMO, O QUE É?

Micronacionalismo, ou país-modelismo, como Portugal e Algarves o pratica, é a simulação de um país que está baseado na rede mundial de computadores. Assim toda a comunicação entre os cidadãos é feita pela internet (lista de mails, foruns, no Facebook, Hi-5, pelo MSN).

Fazendo uso de todos estes serviços, comunicas com os outros cidadãos, participas em partidos e eleições, organizas competições desportivas, podes ser militar, enfim, podes ser o que quiseres!

Tudo isto é gratuito e não se baseia num conceito comercial, mas antes numa associação de pessoas reais, por vezes em lados diversos do planeta, que se juntam num ideal de nação, a tua micronação.

 

COMO COMUNICAR ?

Bem, podes usar toda uma panóplia de meios de comunicação, mas os mais populares são as listas de mails. Usa-se maioritariamente o Yahoo!Grupos brasileiro – http://br.groups.yahoo.com/ , o GoogleGrupos ( http://groups.google.com.br/ ) ou o Grupos.com.br ( http://grupos.com.br/ ). Basicamente, ao fazer parte de um grupo, receberás mensagens de todos os outros associados no mail que indicares e poderás encetar conversas, apresentar propostas, proceder a votações, etc.

A nível da comunicação instantânea os mais populares são o Messenger, ou MSN, onde adicionando contactos poderás falar instantaneamente com as pessoas, “face a face” ou convidando mais pessoas para uma conversa a 3, 4, etc. Para além de outros sistemas, mesmo até de voz, existe também o vehinho Chat, ou IRC (Internet Relay Chat), mas este entretanto caiu em desuso pela sua natureza pouco sólida.

Muito parecido com as listas de mails, mas funcionando em base online apenas existem os foruns (ou fora, para os latinistas), onde estando inscrito, poderás iniciar tópicos, a que outros responderão, dentro de sub-foruns específicos. Podem ter base PHP, ou outras, ou já existir para que tu cries comunidades. Neste último caso tens o Orkut ( http://www.facebook.com ).

Porém em nosso caso, possuímos um Fórum Nacional (http://www.rupa.pt).

O QUE POSSO FAZER ?

A essência do micronacionalismo é que podes, na verdade, fazer qualquer coisa. Ser advogado, economista, militar, estilista, político, funcionário público, dono de um clube, etc. Não há propriamente limites, pois não somos um RPG (Role Playing Game) (vai aqui para saber o que é um RPG). No entanto, como somos uma simulação de estado, acaba por haver regras e leis, mas elas são escritas por todos democraticamente.

Para além disso, os limites acabam por ser o próprio meio ambiente tecnológico da internet. Quer dizer… de que vale abrir uma empresa petrolífera se não há forma de extrair e refinar a matéria prima. Poderás até fazê-lo, mas será sempre algo simbólico, a menos que se organize um sistema se simulação, coisa por demais complexa (mas não impossível).

Seja como for, a imaginação é o limite, conjuntamente com a nossa própria capacidade de concretizar projectos. Como escreveu Pessoa, “Deus quer, o Homem sonha, a Obra nasce” – basta querer.

CIDADANIA MICRO .

A cidadania micro (por oposição a macro, a ‘real’) é parte fundamental de qualquer micronação. Quer dizer basicamente que tu és parte do projecto enquanto pessoa de direitos e vontades próprias. Podes participar da vida política, conforme as leis, votar e ser votado, casar-te (não a sério, embora possas conhecer moças e moços que gostes mesmo muito), comprar casas em mapas habitacionais, fazer sítios, montar empresas, etc.

A cidadania é a grande diferença dos Role Playing Games, pois no micronacionalismo não há limites ou regras determinadas pelo dono do jogo. Tu podes fazer as regras, desde que em respeito às leis que já existem. Mas também podes quebrar as leis, embora para isso haja guardas e exércitos. Enfim, a cidadania é feita por pessoas reais, como tu e eu, que estando embora atrás de um computador, relacionam-se com outras pessoas atrás dos seus computadores.

O QUE É A LUSOFONIA ?

Usa-se o termo Lusofonia quando se fala do grupo de micronações que falam a língua portuguesa. Ainda há umas quantas, desde a primeira, Porto Claro, na Internet desde 1996. Quando falamos de micronações que falam o inglês, temos a Anglofonia; o francês, a Francofonia e por aí adiantes (Alemão, Polaco, Italiano, Espanhol). O micronacionalismo é um fenómeno mundial.

Tradicionalmente, a esmagadora maioria dos micronacionalistas lusófonos são brasileiros, mas também começam a aparecer bastantes portugueses.

O melhor sítio para explorares todo o universo da Lusofonia é na Wikimicropídia de língua portuguesa, em http://pt.micronations.wikia.com/wiki/ . Ai encontrarás muita informação útil (listas de micronações, sua história, micronacionalistas famosos, etc.).

MICRONACIONALISMO É RPG (ROLE PLAYNG GAME)?

Não, basicamente porque, primeiro, não há intentos comerciais, mas principalmente porque as regras não são determinadas ‘superiormente’, e porque podem ser alteradas a meio, conforme a estrutura política da micronação. Tu, no micronacionalismo, és uma pessoa a sério e não um personagem. Podes até escolher um nome espanpanante como Eulálio Eustácio de Camembert, mas não deixas de ser tu próprio, atrás do teu PC, a falar com outros micronacionalistas reais.

Agora, já existiram, dentro do micronacionalismo, estruturas semelhantes a RPG, que permitiam por exemplo gerires a tua própria equipa de futebol, ou teres uma conta num banco e um sistema monetário. No entanto, estas estruturas fazem parte do micronacionalismo, NÃO são o micronacionalismo todo. São boas ideiais para suportar (com regras, mais ou menos controláveis) actividades que de outro modo não seriam possíveis numa micronação.

Voltando atrás, atenção, existe uma coisa chamada Paple (ou paper people / pessoas de papel), isto é, micronacionalistas que decidem, por uma razão ou outra, criar, para além da sua própria pessoa, várias personagens. Isto é bastante censurado no micronacioanlismo, porque somos todos pessoas de verdade. Por mais giro que isso possa parecer, acabarás por ter o dobro, ou o triplo do trabalho, e o divertimento cairia por aí abaixo. Bastas tu !

O QUE É O VIRTUALISMO ?

O Virtualismo, velha discussão do micronacionalismo lusófono, é definido em termos gradativos consoante o micronacionalismo seja mais ou menos fantasista, e mais ou menos realista. Alguns consideram que uma micronação deve funcionar tendo por base a internet, e não ‘ser’ a intenet. Estes micronacionalistas defendem que o micronacionalismo deve ser tão parte do mundo real, como a nossa vida casa-escola-trabalho.

Por outro lado, muitos defendem e praticam que o micronacional deve ser um mundo à parte, por vezes até simulando estruturas fantasistas ou até mesmo coisas como a estação espacial Babylon-5.

Seja como for, e como já referi noutra resposta, seria muito complicado montar uma empresa de extracção de petróleo, mas na verdade, a opção será sempre do micronacionalista individual, conforme ele ou ela quiser viver o passatempo.